Sabinada (1837-1838) 

Escultura Soldado de GuerraEssa rebelião ocorreu na Bahia e recebeu esse nome graças a um de seus líderes, Francisco Sabino Vieira. Os participantes da revolta eram formados por oficiais militares, funcionários públicos, artesãos e comerciantes. A revolta eclodiu em novembro de 1837, quando os líderes foram para o forte de São Pedro. O presidente da província acabou fugindo da cidade, devido ao controle imposto pelos revoltosos.

Os rebeldes tomaram a Câmara Municipal de Salvador e declararam a independência com a escolha de João Carneiro da Silva Rego para presidente. Vários problemas tiveram influência no enfraquecimento do movimento. As famílias mais ricas e os funcionários públicos fugiram da cidade de Salvador e o ex-presidente recebeu o apoio de Alexandre Gomes de Argolo Ferrão, um conhecido senhor de engenho. Ele foi o responsável pelo plano contra a Sabinada.

O governo que fugiu da cidade começou a articular planos com o apoio da Guarda Nacional para evitar que a revolta se espalhasse por outras cidades da Bahia. Salvador ficou isolada e, em dezembro, já faltavam diversos alimentos. Em 1838, vários bens foram confiscados e foi prometido o fim da escravidão para os escravos que participassem das tropas revolucionárias.

Em março, os rebeldes foram derrotados com a entrada das tropas legalistas em Salvador. Sabino foi preso em 22 de março e cerca de quatro mil rebeldes foram mortos e presos. Os chefes do movimento foram condenados à morte, mas receberam anistia após o Golpe da Maioridade.

Balaiada (1838-1841)

 A balaiada começou na província do Maranhão e recebeu esse nome porque um de seus principais líderes era Manoel Francisco dos Anjos Ferreira, que tinha o apelido de Balaio. Seu diferencial foi a participação totalmente popular contra os proprietários de terra. Os problemas com as condições de vida da população eram uma das reivindicações dos revoltosos. A economia baseada na produção do algodão também estava sofrendo um baque com a produção de outros países. 

Os trabalhadores livres, camponeses, escravos e vaqueiros eram as pessoas que estavam em situação de fome e miséria e que sofriam com maus tratos. Por isso, eles começaram a se mobilizar para alterar a situação e lutar contra isso. Enquanto isso, a classe média se encontrava descontente com a política local.

O início realmente da revolta foi em 1838, quando eles tomaram a cidade de Caxias, uma das mais importantes da província. Foi estabelecido um governo provisório e instituíram o fim da Guarda Nacional e a expulsão dos portugueses residentes na região. A rebelião passou a atrair pessoas de caráter duvidoso, como bandidos e criminosos.

Com a inclusão de pessoas mais radicais no movimento, a classe média abandonou a Balaiada e passaram a apoiar os militares que foram para a região combater a revolta. O combate contra a revolta foi bem violento, com a morte de muitos escravos e camponeses, a qual acabou em 1841. Os que foram presos, receberam anistia de Pedro II. 

Topo